As soluções

Um dos maiores desafios do século 21 é satisfazer as necessidades de uma população crescente e, ao mesmo tempo, garantir a preservação dos recursos naturais. É urgente aumentar a produção de alimentos, fibras e energia usando de forma eficiente terra, água, solo, conservando a biodiversidade e garantindo qualidade de vida para agricultores, trabalhadores e comunidades rurais.

O desafio é cultivar mais com menos. Para produzir volumes maiores na mesma área os agricultores precisam de apoio à organização, acesso à tecnologia, conhecimento e capacitação em novas formas de gestão e investimento.

A Fundação Solidaridad acredita que é fundamental desenvolver ferramentas para que o produtor possa identificar os temas prioritários para o seu negócio, organizar a melhoria contínua da sua gestão, e atender as demandas de produtos cultivados de forma sustentável. Ao mesmo tempo, associações de produtores, cooperativas, empresas da cadeia de produção e órgãos governamentais precisam ter acesso a informações atualizadas sobre as práticas de produção e de gestão econômica, social e ambiental no campo. Essas informações são essenciais para entender as dificuldades e os desafios dos diferentes setores da agropecuária e assim orientar as atividades de assistência técnica e apoio ao setor.

Iniciado em 2010, o programa Horizonte Rural foi desenvolvido para ajudar o produtor rural e seus parceiros nas cadeias de produção a caminhar na direção de uma produção cada vez mais sustentável.

Todas as ferramentas do programa são desenvolvidas com o apoio da plataforma Horizonte Rural, um sistema automatizado especialmente desenhado para o programa. O RHES permite o processamento e a gestão dos dados coletados garantindo a confidencialidade das informações aos produtores, cooperativas, associações e empresas. Os produtores que participam no programa Horizonte Rural tem acesso online aos serviços do sistema, que vão desde a avaliação dos seus sistemas de produção até a geração de planos de ação. Podem ainda atualizar seus dados ao longo do tempo, a fim de monitorar a implementação das medidas de adequação.

Ponto de partida: entender os desafios

A primeira etapa do programa é um autodiagnóstico realizado pelo próprio agricultor sobre seu sistema de produção, considerando as exigências da legislação nacional, boas práticas no setor e critérios de certificação internacional. A ferramenta usada nessa etapa é um guia de autoavaliação composto por temas que abordam a gestão da propriedade desde o ponto de vista econômico, social e ambiental. Os temas são abordados na forma de perguntas simples e objetivas, relacionados a requisitos legais e relevantes para o setor.

Após responder as perguntas é apresentado ao produtor quatro estágios de melhoria contínua, estimulando assim uma reflexão sobre a situação atual da propriedade, sempre considerando os três aspectos prioritários da sustentabilidade (econômico, social e ambiental). Não se trata de uma verificação de conformidades, mas de um processo reflexivo visando à compreensão, pelo próprio produtor rural, dos seus desafios frente às práticas de gestão e produção e do caminho que deve ser percorrido.

O guia de autoavaliação pode ser preenchido online ou offline.

 2ª etapa: identificar o caminho

Quando o produtor finaliza sua autoavaliação as respostas são processadas de forma automatizada e geram um relatório individual  com um balanço dos pontos fortes e dos desafios para cumprir as diversas demandas das legislações e dos padrões de boas práticas. O relatório traz ainda orientações gerais para o aprimoramento da gestão da propriedade, tanto do ponto de vista econômico quanto socioambiental.

Os dados de todos os produtores são consolidados e analisados conjuntamente para extrair informações detalhadas sobre a situação de um determinado grupo de produtores ou região, sempre garantindo o anonimato dos participantes. Se trata de um benchmark sobre as boas práticas adotadas e os desafios comuns às propriedades avaliadas. Essas informações podem ser usadas por associações de produtores ou empresas parceiras para orientar a assistência técnica e outras ações coletivas de apoio aos produtores.

3ª etapa: Planejar as mudanças

A partir das recomendações apresentadas no relatório individual, o produtor elabora seu plano de ação com as tarefas a serem realizadas bem como uma estimativa dos recursos necessários para adequar sua propriedade. O objetivo do plano de ação é ajudar o produtor a organizar o processo de melhoria contínua, em função das prioridades e dos recursos disponíveis na propriedade.

4ª etapa: Pesquisar materiais de apoio

O programa Horizonte Rural disponibiliza uma biblioteca digital com materiais de apoio especialmente selecionados e editados para atender as necessidades dos produtores. Esses materiais consistem em manuais com orientações concretas sobre as tarefas a serem realizadas, textos de legislação organizados por tema, e experiências bem sucedidas realizadas por outros produtores.

5ª etapa: Monitorar o progresso

Ao longo do tempo, o produtor tem a possibilidade de atualizar os dados informados na autoavaliação a fim de monitorar e demonstrar os progressos em relação aos requisitos legais, às melhores práticas do setor ou à padrões de certificação internacional.

Associações de produtores ou empresas parceiras podem ter acesso às informações consolidadas de grupos de produtores a fim de acompanhar os progressos e adequar as atividades de assistência técnica e de suporte aos produtores.

icone certificacaoCheck list de certificação

Quando o produtor chega próximo ao nível de certificação, ele tem a possibilidade de preencher um questionário adicional, chamado de checklist de certificação. Essa ferramenta é destinada à orientação dos produtores que pretendem adquirir uma certificação internacional, como, por exemplo, a certificação RTRS (Mesa Redonda para a Soja Responsável), RSPO (Mesa Redonda para o óleo de palma sustentável) ou a Bonsucro (Certificação de cana-de-açúcar). A partir desse check-list os produtores identificam os desafios que eles ainda precisam cumprir para atender aos critérios de certificação antes de solicitar uma auditoria nas suas propriedades.

Alguns padrões de certificação internacional preveem um processo de certificação em grupo. Um módulo de Sistema de Controle Interno está sendo desenvolvido para ajudar os grupos de produtores que queiram organizar a gestão desse processo.

Veja também:  Os princípios-chaves do Horizonte Rural